05.03.2021

2020: ano inédito e de aceleração

Em 2020, as insígnias do Grupo Os Mosqueteiros (Intermarché, Netto; Bricomarché, Bricorama, Brico Cash; Roady, Rapid Pare-Brise) apresentaram um crescimento de 2,3%*. Em conjunto, considerando todos os países, obtiveram um volume de negócios de 42,1 mil milhões de euros (MM€). Considerando os 4,2 MM€ do polo agroalimentar, o volume de negócios global, em 2020, do Grupo Os Mosqueteiros alcançou os 46,3 MM€. Mais uma vez, com os seus 3969 pontos de venda, o Grupo Os Mosqueteiros demonstra a pertinência do comércio independente, que é capaz de responder às expetativas dos consumidores e estar o mais próximo possível das especificidades de cada território. Um resultado que se deve à dedicação dos seus 3072 empresários e dos seus 150 000 colaboradores.

Para Didier Duhaupand, presidente do Grupo Os Mosqueteiros, “2020 foi um ano excecional e é caracterizado, para as insígnias Mosqueteiros, por uma aceleração inédita. Além de se redescobrir a utilidade social da distribuição, várias dinâmicas se precipitaram ao longo do ano, a um ritmo que era inimaginável há apenas um ano: o crescimento extraordinário do e-commerce, o reforço do compromisso local e dos valores de proximidade, exigências crescentes em matéria de RSE, expetativas renovadas quanto ao poder de compra… Em todos estes domínios, e além da forma como as nossas insígnias souberam enfrentar a situação sanitária, os empresários Mosqueteiros aceleraram o trabalho de fundo iniciado há vários anos, com agilidade e solidariedade. É prova disso a conquista de quota de mercado, +0,7 pontos, em ambas as áreas alimentar e equipamento da casa. Iremos impulsionar estes avanços em 2021, acompanhando o mais de perto possível as expetativas dos consumidores castigados pela pandemia.

Intermarché e Netto: um crescimento baseado nos princípios, com vetores que anunciam evoluções a longo prazo

À escala do Grupo (Bélgica, França, Polónia, Portugal), o volume de negócios do Intermarché e do Netto alcançou os 37,8 MM€ em 2020.

Em França, a quota de mercado acumulada no final de dezembro (PGC FLS) das duas insígnias alimentares ascendeu a 15,7 pontos em total anual móvel (+ 0,7 pontos), com um volume de negócios de 33,9 MM€.

Em França, o crescimento do VN do Intermarché é de 1,4%, o que traduz 32,5 MM€. A insígnia Netto continuou igualmente o seu crescimento em França, em 2020, com um volume de negócios de 1,4 MM€, o que representa uma subida de 7,3%.

Este crescimento é fruto de uma atividade que flutua muito ao longo do ano, com uma subida de 20,8% em março. Mas também com variações muitos significativas em função dos formatos, o que demonstra o peso essencial da proximidade na construção desta performance (Express: +22,8%; Contact: +1,4%; Super: +1,2%; Hyper: –0,4%). Outro elemento estruturante associado ao comportamento dos consumidores face à pandemia foi o aumento do cesto médio e a redução do tráfego ou da passagem em caixa.

Por último, a aceleração do e-commerce foi determinante. Em França, com uma rede única de 1495 Drives Intermarché, a quota de mercado deste serviço de e-commerce atingiu 10,2% (fonte: Nielsen), ultrapassando os mil milhões de euros de VN. O crescimento da entrega ao domicílio também permitiu alcançar novos clientes.

Agromousquetaires: uma missão confirmada

A Agromousquetaires, agente fundamental do setor agroalimentar em França, registou, em 2020, um volume de negócios de 4,2 MM€, o que traduz uma subida de 2,3% face a 2019. Com as suas 59 unidades de produção implantadas em França, a Agromousquetaires contribui para a independência dos Mosqueteiros, bem como para a sua presença territorial, intervindo no dia a dia junto dos produtores franceses.

Em 2020, a unidade de produção “Les Celluloses de Brocéliande” (situada em Ploërmel, Morbihan), implementou 5 linhas de produção de máscaras cirúrgicas e FFP2.

Bricomarché, Bricorama e Brico Cash: formatos e oferta cada vez mais adaptados

Na Europa, as três insígnias Mosqueteiros do equipamento da casa representam um volume de negócios de 3,97 MM€.

Em França, o Bricomarché, o Bricorama e o Brico Cash constituem a primeira rede de proximidade e de independentes. O primeiro confinamento foi especialmente desfavorável para as três insígnias, mas o desconfinamento jogou, pelo contrário, a seu favor. Com um volume de negócios acumulado de 3,2 MM€, representaram um crescimento de 11% em 2020, alavancadas pelas secções jardim e decoração. A quota de mercado das três insígnias atingiu 15,10% no final de 2020, ou seja, um aumento de 0,7 pontos em comparação com 2019.

O desenvolvimento do e-commerce e do Drive também contribuíram para a obtenção destes resultados. A aquisição de participação no BricoPrive.com, que teve lugar este ano, com o reforço das competências digitais, é sinal de um verdadeiro objetivo de transformação omnicanal. O volume de negócios do BricoPrive.com foi de 187 milhões de euros em 2020, registando crescimentos inéditos de 68% no último trimestre, por exemplo.

Por outro lado, o plano de cessão dos pontos de venda Bricorama aos empresários independentes continua de acordo com o previsto.

A nível internacional, o Bricomarché usufruiu, tal como em França, dos mesmos comportamentos dos consumidores, registando crescimentos ainda mais significativos no volume de negócios, com subidas de 13,3% na Polónia e 20,8% em Portugal.

Roady e Rapid Pare-Brise: um ano difícil para as insígnias de mobilidade

Com 144 centros auto na Europa, dos quais 111 situados em França, o Roady alcançou, em 2020, um volume de negócios de 210,3 milhões de euros. Este resultado representa quebras de 12,6% em França e 9,1% em Portugal. No caso do Rapid Pare-Brise, a regressão é de 28%. Os dois períodos de confinamento, bem como a meteorologia, tiveram um forte impacto em ambas as insígnias de mobilidade, cujos resultados continuam, contudo, acima dos do mercado há 3 anos.

Immo Mousquetaires: ajustar o desenvolvimento às oportunidade

Sob a égide da Immo Mousquetaires, em 2020 abriram cerca de 167 730 m² na Europa, que correspondem a 73 criações, dos quais 123 716 m² em França. Ainda em França, a área alimentar representou 62% das aberturas, ou seja, 76 661 m². Por sua vez, o setor do equipamento da casa representa 46 732 m².

 

voltar